Atlético e Cruzeiro têm em 2019 suas piores médias de gols nos pontos corridos com 20 clubes

Apesar de participarem de brigas distintas na Série A do Campeonato Brasileiro, pois o Galo luta pelo G-6, grupo que garante vaga na Libertadores do ano que vem, e o Cruzeiro para se distanciar da zona de rebaixamento, os dois rivais têm uma tarefa em comum nas 20 rodadas restantes da competição: evitar que tenham em 2019 suas piores médias de gols nos pontos corridos com 20 clubes, que teve a primeira edição em 2006. Até agora, atleticanos e cruzeirenses têm como marca neste Brasileirão o baixo rendimento de seus ataques, numa comparação com o desempenho deles mesmos no torneio desde 2006, sendo que neste ano o Galo não participou da Série A, pois foi rebaixado em 2005.

O pior desempenho ofensivo do Atlético nas últimas 12 edições de Campeonato Brasileiro foi em 2013, e há uma justificativa que qualquer torcedor sabe qual é. Naquele ano, o time comandado por Cuca conquistou a Copa Libertadores, e a principal competição nacional foi encarada por várias vezes com um time alternativo ou reserva.

Todo o torneio foi comprometido porque, após erguer a taça do torneio continental (em 2013 os mexicanos ainda participavam da Libertadores), o Galo passou a pensar principalmente no Mundial de Clubes da Fifa, que foi disputado em dezembro, após o Brasileirão, no Marrocos.

My name is Mano!

No caso do Cruzeiro, o baixo desempenho é claramente uma herança do técnico Mano Menezes, que será adversário neste sábado, às 19h, no Allianz Parque, em São Paulo, pois atualmente dirige o Palmeiras.

Isso porque no ano passado, a Raposa já teve média de gols inferior a um por jogo (0,89) na Série A, que não foi a prioridade na temporada; em 2018 o clube conquistou a Copa do Brasil e foi às quartas de final da Libertadores.

Este ano, a história se repete e o desempenho é ainda pior, pois a média cruzeirense é de 0,88. E assim mesmo porque nas últimas cinco partidas, sem Mano no banco de reservas, o time balançou as redes adversárias sete vezes, o que dá uma média de 1,40. Com o antigo treinador, que agora comanda o Palmeiras, foram nove gols em 13 partidas, média de 0,69.

Rebaixamento

O que escancara a baixa produção ofensiva dos ataques de Atlético e Cruzeiro neste Campeonato Brasileiro é a comparação com anos em que eles brigaram contra o rebaixamento. A temporada mais marcante neste aspecto é a de 2011, quando os dois quase caíram juntos para a Série B.

O Galo escapou da queda na penúltima rodada, goleando o Botafogo por 4 a 0, na Arena do Jacaré. A Raposa só evitou a degola na 38ª rodada, com o famoso 6 a 1 sobre o rival, também no estádio de Sete Lagoas, pois Mineirão e Independência estavam em reformas para as Copas das Confederações (2013) e do Mundo (2014).

Na Série A do Campeonato Brasileiro de 2011, o Atlético teve média de 1,32 gol por partida. O Cruzeiro, de 1,26.

O Galo já tinha passado pelo sufoco de brigar contra o rebaixamento um ano antes, em 2010, mas mesmo assim teve desempenho ofensivo superior ao atual, pois marcou 1,37 gol por confronto, em média.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square